Saint Seiya: The Lost Canvas (Anime)

Lost-Canvas-1

Atenção, escritora empolgada, provável ocorrência de palavras um tanto hããã… Feias.

Os Cavaleiros do Zodíaco, de Masami Kurumada, foi o primeiro anime que me lembro de ter visto, isso antes dos 10 anos de idade. Já naquela época era frustrante ver uns fracotes detonando minha tão querida mitologia grega. Quando tentei rever anos mais tarde, nossa que tortura (se bem que me arrancava risadas do tipo: Como eu pude gostar dessa coisa? O.O)

Ok, na época era o supra-sumo dos animes, eu sei, e tenho que admitir que foi graças e ele (e a InuYasha) que minha amizade com a Rafaella engrenou, láááá na sexta ou sétima série. Não só nos uniu como rendeu uma fanfic inacabada e toda bagunçada (as folhas caíram no chão e até hoje não tivemos paciência para colocar as mais de 100 folhas na ordem correta). Ainda tenho esperança de vê-la organizada e terminada.

Lançado em 2006, o mangá é um spin-off de Os cavaleiros do Zodíaco, mostrando as histórias e as batalhas entre os Cavaleiros de Atena e as Estrelas Malignas de Hades na época em que os lendários Dohko de Libra e Shion de Áries possuíam 18 anos.

Além de te fazer voltar à infância com toda aquela história de Guerreiros de Atena e Armaduras de Ouro, o anime mostra que nem sempre eles foram as merdas que a série clássica mostrava (eu entendo que os de bronze precisavam vencer os duelos, mas não era necessário fazer personagens tão patéticos, Misty, Afrodite, creeeedo). Os de Bronze aparecem claro, afinal o Pégasus continua sendo o principal protetor de Atena, mas até ele se mostrou melhor e menos patético de o Seya, e não tem Shun (isso é ótimo! Outro andrógeno idiota. ¬¬). Os cavaleiros de ouro então? Geeente, eu já imaginava que os da série clássica eram mais fracos que a geração anterior, mas eu não sabia que era tanto! Eu me lembro de ficar decepcionada, quer dizer, o Shura (cavaleiro do meu signo, Capricórnio) teve uma luta tão tosca contra o Shiryu, e o El Cid (de Lost Canvas), caramba, ele matou 4 deuses e ainda partiu a flecha de Sagitário, e isso tudo COM UM BRAÇO. E o Albáfica (de Peixes) como ele pode ser substituído por uma moça com O Afrodite, isso é inconcebível!

12_gold_saints_the_lost_canvas_by_dajs3010-d45tg8r

Até a Sasha (Atena) faz mais coisa que a Saori (da série clássica), ao menos ela não se entrega pra morte de graça, pelo contrário, ela participa mesmo da guerra, interfere e intercede por seus cavaleiros (Odiava a Saori por isso, ela só se entregava e esperava os de bronze de fu*** para resgatá-la ¬¬). Fora que tem Dohko e Shion lindos e maravilhosos (Como eu adoro esses dois!). Até as Estrelas Malignas de Hades melhoraram.

Outra coisa que eu adorei é mais murianos aparecem (murianos são originados de um continente perdido, sua maior característica são os poderes telecinéticos, os dois sinais na testa e a habilidade de restauração das armaduras sagradas, traduzindo, mais pessoas como Shion, Mu e Kiki). Até então eu conhecia somente esses três e achava que era um “requisito” para ser o guardião da casa de Áries, mas descobri que eles não estão limitados à primeira  casa. Eu sempre gostei de procurar sobre esse povo, tudo que foge muito do comum atrai minha atenção (nos animes).

Eu fiquei muito empolgada com o anime, de toda a franquia (ainda tem o Sait Seya Omega, que pelo que entendi, mostra o que aconteceu depois da série clássica) The Lost Canvas é o que mais tem recebido elogio dos fãs (principalmente dos que viveram a época da série clássica), não me arrependo nem um pouco, ainda quero revê-la futuramente, e já intimei a Rafaella pra assistir também. OK, muita coisa deve ter passado despercebida de tão envolvida que eu fiquei, mas sério, muito melhor que a série clássica.

Sem pontos negativos? Na verdade tem um: NÃO TEVE FINAL!!!! QUE RAIVAAA!!! O anime estava tão bom! Bem que eu estranhei que 5 cavaleiros de ouro ficaram de fora das batalhas: Aquário , Sagitário (fez quase nada apesar de ter dado uma senhora ajuda ao El Cid), Gêmeos, Leão e Escorpião. E sabem o pior de tudo? Não existe sequer previsão para novos episódios. T-T

Anúncios

FullMetal Alchemist (Animes e Mangá)

fullmetal_alchemist

Mais um título lido graças à Central de Mangás Online.

Série de mangá no estilo shonen criada por Hiromu Arakawa em 2001, e recebeu duas adaptações para o anime, uma exibida entre 2005 e 2006 e a outra em 2009.

947291_517834848265352_703649875_nA história acompanha os irmãos Edward e Alfonse Elric na jornada em busca de recuperar seus corpos. Eu explico: Depois de serem abandonados pelo pai ainda muito pequenos, e de perderem a mãe pouco tempo depois os irmãos começam a pesquisar sobre alquimia (uma técnica que podia conseguir qualquer coisa, desde que fosse oferecido algo em troca) para ressuscitá-la. A lei máxima da Alquimia é a “Troca Equivalente”: transmuta-se um objeto reorganizando e recombinando as substâncias químicas que compõem o objeto (Destruição – Recombinação – Construção). Como um corpo humano é composto por diversos elementos químicos, em teoria, pode-se criá-lo misturando os elementos certos edward-elric-fullmetal-alchemist-brotherhood1e em suas devidas proporções. Pondo esta teoria na prática, é quebrado o maior tabu da Alquimia: a Transmutação Humana. Obviamente, se desse tudo certo, não haveria anime: o resultado da transmutação foi um monstro desfigurado e sem alma e o preço cobrado pelo Portal da Verdade caiu sobre os dois: Edward perdeu sua perna esquerda, e Alfonse, todo o seu corpo. Desesperado pela perda de seu irmãozinho, Ed sacrifica seu braço direito e liga a alma do irmão a uma armadura por meio de um selo de sangue.

alphonse-elric-fma-2Graças a Automails (próteses mecânicas) feitas pela Winry,amiga de infância dos dois,  os irmãos Elric iniciam a busca pela lendária pedra filosofal (única substancia capaz de ignorar a lei da troca equivalente). A determinação de Edward é tão grande, que ele até aceita ser chamado de cão do exercito, se tornando um Alquimista Federal com o título de Alquimista de Aço.

Ao longo da história, Ed e Al descobrem que existem outras pessoas (e criaturas) Fullmetal_Alchemist_Brotherhood_full_1186343que também buscam a substância lendária, e percebem que sua procura pode mudar drasticamente o futuro de uns pais inteiro.

A primeira adaptação para o anime foi feita durante a publicação do mangá, ou seja, mudanças foram feitas, e mudanças drásticas devo dizer, ela, simplesmente, terminou sem pé nem cabeça. Ainda assim, a história ficou ótima (e olha que se tem uma coisa que me tira do sério em um anime é quando ele termina faltando coisa para ser resolvida). Agradeço até hoje ao Diogo por ter me emprestado os DVDS dele, que por sinal foram os primeiros da minha coleção, juntamente com Hellsing.

fullmetal alchemist roy mustang riza hawkeye 1280x800 wallpaper_www.wallpaperhi.com_17Em 2009, foi lançado Fullmetal Alchemist: Brotherhood, propondo seguir a mesma linha do mangá. E se a primeira versão já tinha sido boa, a segunda ficou fodástica. A adaptação ficou EXCELENTE, a sequência do mangá foi bem respeitada, os personagens também foram respeitados e tudo foi finalizado e devidamente explicado. Tudo isso, somado a batalhas épicas e doses de humor na hora e na medida certa fizeram desse anime ficar numa posição bem alta do meu rank. (Não me peçam para coloca-los em ordem de preferência, pois isso é impossível)

Algo que eu achei muito interessante foi a evolução de Edwardimagesgd n ao longo dessa versão: ele sempre mostrou ser muito maduro (apesar de perder as estribeiras quando o chamam de baixinho), mas em algum momento na segunda metade do anime, ele deixou de ser um garoto e começou a passar a imagem de homem mesmo, isso me chamou atenção por que é uma coisa difícil de se ver.

Personagens favoritos? Vários! (alguns estão nas imagens)

Cenas marcantes? Incontáveis (chorei horrores nos dois animes E no mangá)

Apenas mais um comentário sobre o segundo anime e sobre o mangá: ambos possuem uma das declarações de amor mais nerds de todos os tempos, e uma das mais lindas também.

Chihayafuru (Anime e Mangá)

Chihayafuru (Anime e Mangá)

Escrito e ilustrado por Yuki Suetsugu, o mangá está sendo publicado desde 2007.

O sonho de Ayase Chihaya sempre foi ver sua irmã ter sucesso em sua carreira de modelo. Até que um novato de sua classe, Wataya Arata, a critica, dizendo que ela tem que correr atrás de seu próprio sonho. O dele é ser ganhar o titulo de Mestre no karuta (jogo de cartas que consiste em pegar a carta que contiver o poema recitado pela oradora antes do oponente). Após assumir o lugar de Arata num jogo contra Mashima Taichi, Chihaya descobre mais do que uma nova paixão, ela descobre seu próprio sonho. Os três, juntos, unem a paixão pelo karuta à amizade. Mas as coisas mudam quando Arata e Taichi se mudam de cidade. Passados 4 anos, Taichi e Chihaya se reencontram e abrem um clube de karuta na escola onde estudam, mas ao retomarem contato com Arata, percebem que ele esta muito diferente desde a ultima vez que se viram.

Em 2011, o mangá ganhou uma versão em anime que, atualmente, está na segunda temporada.

Infelizmente, na Central de Mangás On Line, existem somente 18 capítulos (e até que tenham a boa vontade de publicarem o mangá aqui no Brasil, terei que me contentar com eles), que correspondem aos 12 primeiros episódios da primeira temporada. E por sinal, a adaptação ficou muito boa: os eventos principais foram mantidos, a sequência original foi respeitada e sinceramente, esse é um dos melhores animes que eu já vi, tanto é que já o vi umas 2 vezes.

Meu primeiro contato com a história foi pela Rafaella (além de ser minha amiga mais antiga (se não estamos no ano 10 estamos muito próximas disso), foi ela que terminou de me viciar nos animes, me ensinou a ler mangás e me viciou nos doramas ( e até hoje ela é a minha principal fornecedora desses itens)) e fui conquistada logo no primeiro episódio.

Definitivamente, é um anime que recomendo.

Katekyo Hitman Reborn (Anime e Mangá)

01 Katekyo Hitman Reborn - Anime e Mangá

Sawada Tsunayoshi é um estudante do primeiro ano conhecido com o “bom-em-nada-Tsuna”, ele é um fracasso nos estudos e nos esportes, ficando muitas vezes assustado com simples gatinhos. Certo dia em sua casa, Tsuna recebe um estranho bebê, chamado Reborn, que se auto intitula um hitman e diz ser seu professor particular para que se torne o próximo líder da Família Vongola, uma poderosa família da máfia Italiana.Apesar de parecer covarde e tímido, é muito gentil, e faz tudo para ajudar os amigos.

Inicialmente a história é mais voltada à comédia do que a ação, já que na maioria das vezes seus inimigos são derrotados em alguns minutos. Mas ao longo da trama, elementos de ação vão aparecendo, e a história se torna típica do estilo shonen (enredos voltados para o público masculinos, geralmente voltados para ação, competição superação de desafios e perseverança, muitas vezes como elementos humorísticos).

A série em anime foi exibida entre Outubro de 2006 a Setembro de 2010, alcançando 203 episódios. Nos primeiros episódios, o anime testa todos os limites da paciência. Por não ter um enredo fixo (Tsuna é colocado contra situações completamente aleatórias e desconexas), a história fica chata e repetitiva. O que salva os 18 primeiros episódios são alguns dos personagens apresentados, como o Hibari, o Gokudeira, o Yamamoto, o Lambo (um pirralho irritante de 5 anos vestido como uma vaca, de chifres e tudo) e o Ryohei, que acabarão por se tornar parte da 10º geração da Vongola. A partir do episodio 19, o trama começa a ganhar ação de fato, os “vilões” começam a aparecer e Tsuna começa a mostrar o motivo de ele ter sido escolhido como sucessor da máfia. Agora, a parte viciante mesmo é mais ou menos no episodio 34 e vai até o final.

Dos 203 episódios, 25 são fillers (episódios ou sagas de um anime inexistentes na série original do mangá, geralmente são produzidos para impedir que a adaptação alcance as publicações atuais da série em quadrinhos, que geralmente é mais lenta). Eu, pelo menos, só descobri que eram episódios avulsos depois que li o mangá.

Escrito e ilustrado por Akira Amano, o mangá foi publicado entre Maio de 2004 e Novembro de 2012 (publicação semanal). Ele mostra, além dos eventos exibidos na animação, duas (ou três) sagas que não foram adaptadas, que por sinal são, de certa maneira, um pouco relacionadas aos fillers do anime. E olha, o anime pode ser até bom, mas o mangá é MUITO melhor!

A adaptação da história para o mangá não foi ruim, mas sei lá, ficou muita coisa sem serem resolvidos, os arcobalenos (pessoas adultas que foram pegas pela maldição do Arco-Íris e transformadas em bebês super dotados de habilidades) ficaram muito apagados em relação ao real potencial deles na história.